Nota da CNBB contra a legalização dos jogos de azar no Brasil

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, através de sua Presidência, D. Walmor Oliveira de Azevedo, Arcebispo de Belo Horizonte, MG, divulgou uma Nota Nacional contra a legalização dos jogos de azar no Brasil. A mesma informa que “acompanhou perplexa, no apagar das luzes do ano de 2021, a aprovação na Câmara de Deputados do requerimento nº 5.358/16, que assinala como urgente a apreciação do Projeto de Lei 442/91. Esse nefasto ato acelerou o caminho para regulamentar, logo nas primeiras sessões do ano 2022, a exploração de jogos de azar no país. Nesse período os parlamentares ainda estarão deliberando de maneira virtual, o que na prática limita o debate, camufla as posições e facilita as artimanhas regimentais”.

A partir dessas ações lamentáveis a CNBB reitera a sua inegociável posição contra a legalização dos jogos de azar no Brasil.

“Os argumentos de que esta liberação aumentará a arrecadação de impostos, favorecerá a criação de postos de trabalho e contribuirá para tirar o Brasil da atual crise econômica, seguem a repudiante tese de que os fins justificam os meios. Esses falsos argumentos não consideram a possibilidade de associação dos jogos de azar com a lavagem de dinheiro e o crime organizado. Diversas instituições de Estado têm alertado que os cassinos podem facilmente transformar-se em instrumentos para que recursos provenientes de atividades criminosas assumam o aspecto de lucros e receitas legítimas”.

Assim, no entender da CNBB, por sua missão, razões éticas e evangélicas, alertar que o jogo de azar traz consigo irreparáveis prejuízos morais, sociais e, particularmente, familiares. Além disso, o jogo compulsivo é considerado uma patologia no Código Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde. O sistema altamente lucrativo dos jogos de azar tem sua face mais perversa na pessoa que sofre dessa compulsão. Por motivos patológicos, esta pessoa acaba por desprezar a própria vida, desperdiçar seus bens e de seus familiares, destruindo assim sua família. Enquanto isso, as organizações que têm o jogo como negócio prosperam e seus proprietários se tornam cada vez mais ricos. A autorização do jogo não o tornará bom e honesto. Nosso país não precisa disso, alerta o Manifesto.

A CNBB conclama o Congresso Nacional a rejeitar este projeto e qualquer outra iniciativa que pretenda regularizar os jogos de azar no Brasil.

Publicamos abaixo e disponibilizamos o Documento em sua íntegra.

Versão em PDF, da Nota da CNBB, para download:

Deixe seu comentário

Cruz Azul no Brasil - Para VIDA sem Drogas

Sede Cruz Azul

Rua São Paulo, n° 3424
Itoupava Seca, Blumenau / SC
CEP: 89.030-000

Redes Sociais

Criação de Site por Vale da Web