Nota de repúdio: apologia às drogas em TV aberta – música de Ludmila no programa de Fátima Bernardes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Infelizmente nos deparamos num programa de rede nacional em TV aberta, com uma cantora convidada e a apresentadora cantando, dançando e incentivando o público a consumirem uma droga ilícita. Droga esta, que é assim classificada em lei, por ser altamente nociva à saúde, sob o aspecto biológico (afeta todo o sistema respiratório), aspecto neuronal (afeta a memória, cognitividade, aumento significativo do risco do desenvolvimento esquizofrenia, etc.), bem como os graves problemas de ordem social e familiar decorrentes do consumo e a dependência química.
Estamos falando da maconha, que na música é chamada de “verdinha”, cuja letra é um incentivo claro, uma apologia para a venda e consumo, e de forma especial, para o plantio da mesma por qualquer pessoa. E pasmem, com o apoio e incentivo de uma das grandes emissoras de TV, que no dia 23/12/2019, em plena véspera de natal, abriu seu espaço nobre, para junto com a apresentadora do programa cantar e incentivar a promoção de uma droga ilícita. E num horário matinal, onde crianças e adolescentes tem acesso livre aos programas da TV aberta, e em pleno período de férias escolares.
Sobre a música “verdinha”, estamos falando da cantora Ludmila, que se apresentou no Programa Encontro com Fátima Bernardes, com grande incentivo e participação na dança da própria apresentadora Fátima Bernardes da Rede Globo.
Não houve nenhuma preocupação da emissora com a legislação e também com as regras editorias do jornalismo, da mídia, em especial, pensando no direito das crianças e adolescentes que tem proteção especial no ECA, que é outra legislação federal importantíssima que regulamenta o tema.
Conhecendo a nocividade desta droga, a legislação federal que a regulamenta, e em especial, pelo grande drama familiar de pessoas que são afetadas direta e indiretamente, vemos a necessidade de esclarecer:
– A atual legislação nacional sobre drogas, como as anteriores, deixa claro que a maconha, juntamente com outras drogas ilícitas conhecidas (cocaína, crack, heroína e outras,) são proibidas o porte, produção, consumo e a comercialização, conforme Art. 2º, Art. 28, Art. 31, Art. 32, Art. 33 e Art. 34 da Lei 11.343/2006, atualizada pela Lei 13.840/2019.
– A apologia, a indução (incentivo) ao consumo, como feito abertamente aos telespectadores de TV aberta, através da letra desta música em rede nacional pode ser caracterizado como crime, conforme Art. 33, § 2º da Lei 11.343/2006.
– As crianças e adolescentes tem proteção especial quanto a propaganda e promoção de produtos que venham a causar dependência química ou outros males, havendo clara limitação e proibição de divulgação e promoção de produtos nocivos a sua saúde em determinados horários. No caso de drogas ilícitas a proibição é total. Esta proteção está contemplada em diversos artigos do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei Federal 8.069/1990, visto que o enfoque central deste é a proteção.
Importante destacar que são leis ordinárias federais, que foram discutidas e aprovadas de forma ampla e democrática por anos anos pelo Congresso Nacional, fruto da vontade da grande maioria da população brasileira, sendo políticas públicas de Estado, que inclusive independem de governos.
Esta atitude, afronta a democracia, ao estado democrático de direito, onde nós cidadãos e instituições estamos vinculados, submissos a legislação que é democraticamente construída para nos proteger e valer de forma igualitária para todos.
Em nome das evidências científicas, da legislação, e do grande problema social e de saúde pública enfrentado pelas famílias deste país que sofrem as consequências do consumo e a dependência química em seus lares, repudiamos o que aconteceu neste programa televisivo, que infelizmente se soma a outros episódios similares no passado recente, onde também houve um incentivo forte ao consumo de drogas ilícitas.

Cruz Azul no Brasil
Equipe Executiva e Diretoria
Texto de Egon Schlüter. Revisão Rolf Hartmann.

Deixe seu comentário

Cruz Azul no Brasil - Para VIDA sem Drogas

Atendimento

Sede Cruz Azul

Rua São Paulo, n° 3424
Itoupava Seca, Blumenau / SC
CEP: 89.030-000

Redes Sociais

Criação de Site por Vale da Web